PRIMEIRO DOMINGO DA QUARESMA

PRIMEIRO DOMINGO DA QUARESMA

LITURGIA DA PALAVRA

PRIMEIRA LEITURA: Gen 9, 8-15

A aliança de Deus com Noé, salvo das águas do dilúvio

*Leitura do Livro do Génesis*
Deus disse a Noé e a seus filhos: «Estabelecerei a minha aliança convosco, com a vossa descendência e com todos os seres vivos que vos acompanham: as aves, os animais domésticos, os animais selvagens que estão convosco, todos quantos saíram da arca e agora vivem na terra. Estabelecerei convosco a minha aliança: de hoje em diante nenhuma criatura será exterminada pelas águas do dilúvio e nunca mais um dilúvio devastará a terra». Deus disse ainda: «Este é o sinal da aliança que estabeleço convosco e com todos os animais que vivem entre vós, por todas as gerações futuras: farei aparecer o meu arco sobre as nuvens, que será um sinal da aliança entre Mim e a terra. Sempre que Eu cobrir a terra de nuvens e aparecer nas nuvens o arco, recordarei a minha aliança convosco e com todos os seres vivos e nunca mais as águas formarão um dilúvio para destruir todas as criaturas».

Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL
Salmo 24 (25), 4bc-5ab. 6-7bc. 8-9 (R. cf. 10)

Refrão: *Todos os vossos caminhos, Senhor,
são amor e verdade
para os que são fiéis à vossa aliança.* Repete-se

Mostrai-me, Senhor, os vossos caminhos,
ensinai-me as vossas veredas.
Guiai-me na vossa verdade e ensinai-me,
porque Vós sois Deus, meu Salvador. Refrão

Lembrai-Vos, Senhor, das vossas misericórdias
e das vossas graças que são eternas.
Lembrai-Vos de mim segundo a vossa clemência,
por causa da vossa bondade, Senhor. Refrão

O Senhor é bom e recto,
ensina o caminho aos pecadores.
Orienta os humildes na justiça
e dá-lhes a conhecer a sua aliança. Refrão

SEGUNDA LEITURA: 1 Pedro 3, 18-22

«O Baptismo que agora vos salva»

Leitura da Primeira Epístola de São Pedro

Caríssimos: Cristo morreu uma só vez pelos pecados – o Justo pelos injustos – para vos conduzir a Deus. Morreu segundo a carne, mas voltou à vida pelo Espírito. Foi por este Espírito que Ele foi pregar aos espíritos que estavam na prisão da morte e tinham sido outrora rebeldes, quando, nos dias de Noé, Deus esperava com paciência, enquanto se construía a arca, na qual poucas pessoas, oito apenas, se salvaram através da água. Esta água é figura do Baptismo que agora vos salva, que não é uma purificação da imundície corporal, mas o compromisso para com Deus de uma boa consciência; ele vos salva pela ressurreição de Jesus Cristo, que subiu ao Céu e está à direita de Deus, tendo sob o seu domínio os Anjos, as Dominações e as Potestades.

Palavra do Senhor.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO: Mt 4, 4b

Refrão: Glória a Vós, Jesus Cristo, Senhor. Repete-se

Nem só de pão vive o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Refrão

 

EVANGELHO: Mc 1, 12-15

«Era tentado por Satanás e os Anjos serviam-n’O»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos

Naquele tempo, o Espírito Santo impeliu Jesus para o deserto. Jesus esteve no deserto quarenta dias e era tentado por Satanás. Vivia com os animais selvagens e os Anjos serviam-n’O. Depois de João ter sido preso, Jesus partiu para a Galileia e começou a pregar o Evangelho, dizendo: «Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus. Arrependei-vos e acreditai no Evangelho».

 

REFLEXÃO DA PALAVRA DE DEUS

SOLIDÃO E TENTAÇÕES: FORTALECIDOS PELO ESPÍRITO SANTO

A proposta das leituras neste Primeiro Domingo da Quaresma nos leva a meditar o exercício quaresmal de Jesus.
Quer na primeira quer na segunda leitura, narra-se a história bonita do Dilúvio e seu significado teológico hoje: o Baptismo como morte e ressurreição em Jesus Cristo.

A história do Dilúvio no tempo de Noé revela a bondade de Deus que com muita paciência, deixa Noé e sua família se organizar, construir, terminar a arca da aliança onde ele e sua família foram salvos.

Deus é Clemente e Paciente.

Deus dá muito tempo para o pecador se arrepender e converter-se Nele.

Jesus passa quarenta dias e quarenta noites no deserto sendo tentado.
Deus enviou seus anjos para servi-lo.

Para melhor meditação, apresento a questão da Solidão e Tentações de Jesus e o que temos que aprender nesses dois temas.

1.SOLIDÃO

O tema da solidão deve ser compreendido como algo positivo neste tempo da Quaresma.

A solidão solidária é estar no barulho mas não se deixar levar pelo barulho.
Enquanto a solidão que temos que fugir é a chamada solidão solitária, isto é, a pessoa entra no desespero, na angústia, no sofrimento e no barulho interior. Vive o caos da vida. Não encontra sentido na sua vida.

*Solidão solidária * é proporcionar um tempo de silêncio interior.
É abandonar-se nas mãos de Deus.
É adentrar no vazio, no meu Nada para que o Tudo que é Deus encha de mim a Sua essência, Seu Amor.

Na solidão, a pessoa humana compreende a sua limitação, mas também entende a Magnificência de Deus.
Deus é Todo Poderoso. Todavia, vem ao encontro do homem mortal para torná-lo imortal. Vem ao encontro do pecador para salva-lo.

Neste tempo da Graça, somos convidados por meio de Oração a vivenciar a Solidão Solidária- viver uma experiência do Espírito Santo que ilumina a mente e o coração para acolher a vontade de Deus.

Não é possível fazer a experiência de Deus se o Espírito Santo não nos iluminar.
Não temos força suficiente para entender todas as surpresas de Deus se não for pelo Espírito Santo.

2. TENTAÇÕES

No Pai nosso rezamos para que Deus “não nos deixe cair em tentação”.
Tentação em si é algo negativo porque é o trabalho do Satanás. O demônio com sua inveja propõe as coisas aparentemente boas mas que nos deixam longe de fazer a vontade de Deus.
A experiência de Jesus no deserto é um exemplo de que também nós podemos ser tentados mas não derrotados pois, Deus vem ao nosso encontro para nos resgatar como fizera no tempo de Noé.

Por outro lado encontramos as Provações que Deus submete àqueles que Ele ama.
Quer nas tentações quer nas provações temos que ter fé que Deus nunca nos abandonará.
A aliança que fizera com Noé perpassa todas as gerações.

Por isso diante de vários fenómenos que abalam o mundo e a toda humanidade, como por exemplo, as guerras, as pandemias, temos que lembrar a Aliança de Deus com os homens daqueles tempos e do nosso tempo.

Deus não nos engana.

Deus é Pai e nunca deseja o mal aos seus filhos.

Deus nos ensina a sermos pacientes e aguardarmos o seu tempo, “o tempo de Deus”, o kairós.

Não adianta sermos arrastados pelo imediatismo. Deus vem na hora certa.

A liturgia da Palavra neste primeiro domingo da Quaresma, portanto, nos desafia a vivenciarmos com fé e esperança a Solidão e as Tentações cientes de que Deus nunca nos abandona.

Para que o tempo da Quaresma seja de facto Tempo da Graça de Deus, Tempo da Salvação, temos que nos abrir para sermos guiados pelo Espírito Santo com vista a intensificamos a Oração, vivermos o Jejum e praticarmos a Caridade.

Oração pessoal

Senhor, enviai o Vosso Espírito em mim para que eu viva a Solidão solidária e compreenda vossa vontade. Venha em meu auxílio para eu não cair em tentação e viva alegremente esse Tempo da Quaresma como momento de Penitência. Amém.

Servo inútil, Pe. Fonseca Kwiriwi, CP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

shares