Paulo Vahanle burlado e enganado pela ZAC construções

Paulo Vahanle burlado e enganado pela ZAC construções

Paulo Vahanle, Edil da cidade de Nampula, exige que a ZAC construções, empresa responsável na asfaltagem da estrada que liga ao Hospital Geral de Marrere a devolução do valor pela má qualidade das obras.

Trata-se da estrada que sai da EN1 ao Hospital Geral de Marrere que estava orçada em mais de 40 milhões de meticais, valor proveniente das receitas do município, que uma semana após a sua inauguração a via ficou completamente destruída por conta da fúria da tempestade tropical Ana que fustigou a região norte e Nampula de forma particular.

Até ao momento a via foi interrompida para ser reconstruída, por conta da degradação que a mesma apresenta.

Em virtude desta triste realidade que abalou internamente o Município, Paulo Vahanle juntou na mesma sala os representantes da ZAC construções e seus fiscais para distanciar-se do fracasso e exigir a devolução do valor aplicado para a construção da infra-estrutura que por alguns dias já foi cartão-de-visita nos olhos dos munícipes da cidade de Nampula.

Vocês enganaram os munícipes da cidade de Nampula e mancharam o nome de Paulo Vahanle e a governação da RENAMO. Nós queremos a devolução do valor, menos da ponte rematou Vahanle tendo-se referido que a ZAC construções e o fiscal vão pagar por danos materiais e morais causados ao município de Nampula e aos seus munícipes.

A ZAC construções na voz dos seus representantes, referiu que no acto da construção não tinha feito estudo ambiental, dai que depois da construção foi descoberta uma nascente nas margens da rodovia.

“Pedimos desculpas aos munícipes da cidade de Nampula, pela vergonha prometemos melhorar a transitabilidade dentro de dias”, disse o representante da ZAC construções.

Doravante, Paulo Vahanle visivelmente agastado com a situação, lançou o dedo acusador aos gestores da construtora de não saberem como se faz uma estrada, dai que voltou a exigir que devolvam o valor aplicado para a colocação do asfalto, exceptuando a ponte que foi construída em perfeitas condições.

Importa referir que até ao momento a transitabilidade de pessoas e bens foi interrompida por conta da retoma da reabilitação da mesma estrada.

(Júlio Assane)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *