Pluralismo religioso: provas de diálogo

Pluralismo religioso: provas de diálogo

Por Pe. Max Robol

“O pluralismo e as diversidades de religião, de cor, de sexo, de raça e de língua fazem parte daquele sábio desígnio divino com que Deus criou os seres humanos” (Papa Francisco e Ahmad al-Tayyeb, Documento sobre a Fraternidade Humana em prol da Paz mundial e da Convivência comum, 2019).

“Se Allah quisesse, realmente ter-vos-ia feito uma única nação (mesma religião), mas (não o fez) para vos testar naquilo que vos deu; portanto, competi nas boas acções” (Alcorão, Surah “A Mesa” 5:48).

Nos textos supracitados, o pluralismo religioso é considerado como vontade de Deus. Nisso, pode-se dizer que não há uma religião melhor do que outra; todas as tradições culturais e religiosas são necessárias para melhor manifestar as riquezas da plenitude de verdade que coincide com o mistério mesmo de Deus.

Nós estamos a viver numa sociedade onde há diversidade de atitudes, de opiniões, de pensamentos, assim como há variedade de línguas, de religiões e de culturas. A pluralidade está relacionada à convivência de realidades diferentes, com diversas aplicações. Isto também se verifica em relação à diversidade das religiões.

Como consequência, podemos dizer que o pluralismo religioso é a compreensão de que todas as religiões estão no mesmo nível. Isso não quer dizer que são todas iguais, mas que são todas legítimas e não há nenhuma religião melhor do que outra; assim, apenas Deus é o centro para onde todas caminham.

Por conseguinte, o ser religioso é necessariamente convidado a adoptar atitudes pluralistas, ou seja, ter um novo olhar frente ao outro, ao diferente; buscar sempre o diálogo para um melhor conhecimento mútuo, com vista ao bem da sociedade e a uma convivência fraternal.

A diversidade é um bem, uma dádiva de Deus. Por isso, é preciso reconhecer a pluralidade como um valor único e respeitável, que ajuda a olhar para o mundo numa perspectiva mais ampla.

Papa Francisco, na sua Exortação Apostólica EvangeliiGaudium, afirma: “A diversidade é bela” (EG 230). Por conseguinte, deve-se levar em conta a forma como se lida com essa diversidade, que atitude tomar. Deste modo, o cristão é chamado a ter um olhar compreensivo para o seu irmão que professa uma outra religião. O pluralismo, como um fenómeno da sociedade actual, desafia o ser humano a valorizar princípios e valores comuns; exige o conhecimento mútuo, o respeito, a solidariedade e o perdão.

Então, qual é a base para manter uma atitude pluralista num diálogo entre religiões? Num documento intitulado: Carta Aberta e Apelo dos Guias Religiosos Muçulmanos aos Líderes das Igrejas Cristãs, escrito por 138 intelectuais muçulmanos em 2007, afirma-se que, por exemplo, a base para o diálogo entre cristãos e muçulmanos já existe. Faz parte dos princípios fundamentais das duas religiões: amor pelo único Deus e amor ao próximo. Continua o documento: “em obediência ao sagrado Alcorão, como muçulmanos convidamos os cristãos a encontrarem-se connosco com base no que nos é comum, que é também o mais essencial na nossa fé e prática: os Dois Mandamentos do amor”.

Embora o Islão e o Cristianismo sejam obviamente religiões diferentes, é evidente que os Dois Mandamentos principais são um terreno comum e uma ligação entre o Alcorão e a Bíblia. Este terreno deve ser a base para o diálogo inter-religioso entre os crentes de boa vontade.

Asseguremos, portanto, que as nossas diferenças não causem ódio e conflito entre nós. Vamos competir uns com os outros apenas na prática da justiça e das boas obras. Respeitemo-nos, sejamos justos e bondosos, e vivamos em paz, harmonia e confiança uns com os outros.

Afirma o Sagrado Alcorão: “Certamente Allah ordena a justiça, a boa conduta, a bondade e o auxílio aos parentes, e proíbe as obscenidades, o mal e as atitudes opressivas; Ele aconselha-vos para que vós possais meditar” (Alcorão, Surah “A Abelha” 16:90). Jesus afirma no Evangelho: “Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5,9). E mais: “Por isto é que todos conhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros” (Jo 13,35).

O pluralismo religioso propõe atitudes comuns para construir uma sociedade eticamente responsável, que inclui a procura de boas relações, da tolerância e do respeito pela diversidade de culturas e de religiões, numa perspectiva de diálogo e acolhimento.

O objectivo dessas práticas é a busca do conhecimento mútuo e a realização de acções concretas de interesse social, ambiental e religioso.

Portanto, numa sociedade marcada por conflitos de diversas origens, terrorismos e todo tipo de violência; num mundo onde há degradação ambiental e desigualdades sociais, as religiões são chamadas a dialogar e a trabalharem em busca de fraternidade e reconciliação. Todos os crentes devem sentir o peso da responsabilidade de contribuir por um mundo mais justo e humano, de acordo com aquele “sábio desígnio” do nosso Criador.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *