Testemunhas de fé

Testemunhas de fé

Sangue derramado, semente de cristãos

Todos lembramos o que aconteceu na noite de 6 de Setembro 2022 na missão de Chipene (Memba- Nampula) quando foi queimada a missão e assassinada a Ir. Comboniana Maria De Coppi. Porém, poucos conhecem o que aconteceu na vizinha aldeia de Tataulo. Aqui vai o testemunho do pároco.

«No més de Setembro do ano passado fui celebrar os sacramentos na comunidade de Tataulo. Foi a primeira vez que entrei lá depois da passagem dos terroristas em Setembro de 2022 e pude recolher as seguintes informações.

Aproximativamente pelas 9 horas, na manhã do dia 9 de Setembro 2022, 9 terroristas, que tinham atacado, destruído a missão de Chipene e assassinada uma irmã, chegaram à aldeia de Tataulo.

O animador desta zona pastoral, que mora numa das primeiras casas da aldeia, viu estas pessoas fardadas com roupa militar e armadas e logo fugiu. Os terroristas correram atrás dele, mas ele foi mais rápido e conseguiu escapar e avisar outro cristão e o conselheiro da comunidade para fugirem.

No entanto, a povoação da aldeia já tinha conhecimento do ataque perpetrado na missão de Chipene mas, recebendo a informação que a tropa militar já estava a perseguir os terroristas nas matas da zona, voltaram para as próprias casas na aldeia sem saber que uma tragédia estava a começar.

Os terroristas reuniram toda a povoação debaixo dum cajueiro e pediram que se dividissem em grupos: homens e mulheres, cristãos e muçulmanos.

Logo prenderam e amarraram os primeiros três cristãos que se manifestaram como tais em quanto que a maioria começou a fugir apercebendo-se que, o que estava a acontecer, não era nada de bom.

No entanto obrigaram dois homens a ficar para testemunhar o que iam fazer.

De imediato, os três cristãos foram degolados com uma faca. Ao primeiro lhe puseram no peito o livro da liturgia “Masu Apwiya”, ao segundo a Bíblia e ao terceiro o catecismo da 3ª etapa.

Depois de terem assassinado os três cristãos, foram à capela e a queimaram completamente junto com as casas que se encontravam nas proximidades. Ainda hoje a capela está completamente queimada e é testemunho do ódio violento que caiu sobre a aldeia de Tataulo naquela manhã.

Foram também vandalizadas outras casas à procura de farinha e outros alimentos e animais que, um grupo de jovens, que depois foram deixados voltar para as suas casas, foram obrigados a transportar na cabeça até ao rio Lúrio.

No dia 10 de Setembro foi realizado o enterro dos três assassinados e as campas encontram-se atrás da capela.

Eles são: Francisco Rimo, baptizado e casado canonicamente. Tinha nove filhos.

Celestino Santos Metupia, baptizado e casado canonicamente. Era catequista da 2ª etapa, tinha sete filhos.

Silva António, catecúmeno. Tinha dois filhos».

Mais santos mártires pela fé da nossa Igreja Local que se juntam ao catequista Cipriano Parite, aos catequistas de Guiúa, e a muitos outros que sobrevivem na memória das comunidades do país.

(Por: Pe. Lorenzo Barro)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *