Cabo Delgado: Os jihadistas assumem a autoria de incêndios em duas igrejas, uma escola e mais de 190 casas

Cabo Delgado: Os jihadistas assumem a autoria de incêndios em duas igrejas, uma escola e mais de 190 casas

Nos últimos dias o Estado Islâmico assumiu a responsabilidade por ataques contra dois povoados do distrito de Chiúre, província de Cabo Delgado. No ataque à Siripa, em 6 de maio, os jihadistas assumem a autoria de incêndios em duas igrejas, uma escola e mais de 190 casas.

Entre as fileiras dos jihadistas, além de moradores locais, encontram-se vários estrangeiros, em particular cidadãos da República Democrática do Congo, informam fontes locais.

Estes ataques ocorrem enquanto decorre a retirada progressiva  de Cabo Delgado dos soldados da missão militar (SAMIM) da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC).

A SAMIM está presente em Cabo Delgado desde meados de 2021 e, em agosto de 2023, a SADC aprovou a prorrogação por mais 12 meses, até julho de 2024, de acordo com um plano de retirada progresivo.

O primeiro contingente a ser retirado foi o do Botswana, em 5 de abril, seguido, em 7 de abril, pelas tropas sul-africanas e do Lesoto.

O único parceiro remanescente da SAMIM com tropas no terreno é a Tanzânia, que tem um acordo de segurança bilateral separado com Moçambique que poderá continuar para além da conclusão oficial da missão SAMIM em 15 de Julho.

A África do Sul foi o país que mais contribuiu, ao enviar cerca de 1.500 homens para Cabo Delgado, responsáveis ​​pelas operações de segurança no distrito de Macomia.

O governo de Moçambique pretende substituir o contingente SAMIM por um reforço dos militares ruandeses (que estão presentes em Moçambique com um acordo separado) e pelo fortalecimento das milícias locais.

Vatitcan News: In *Agência Fides

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *