Eleições 2024: Partido RENAMO dividido?

Eleições 2024: Partido RENAMO dividido?

Decorre na vila autárquica de Alto Molócuè, na Zambézia, VII Congresso Nacional do partido RENAMO, que visa a escolha de quem irá dirigir os destinos dos próximos cinco anos do partido além de candidato a presidência à altura de El Chapo para as eleições de 9 de Outubro próximo.

Após as últimas eleições autárquicas, o partido tem vivido conflitos internos, situação que tem levado ao debate público.

Venâncio Mondlane membro do partido e deputado da assembleia da república, foi excluído do congresso, onde a segurança foi reforçada, onde após recorreu ao tribunal para o fazer parte.

Em entrevista à DW, Mondlane declarou que participaria do congresso e insiste na candidatura à liderança da RENAMO. “O gabinete de preparação de congresso fez uma notificação a dizer que havia três elementos em falta nos requisitos. Um dos elementos eram os 15 anos de militância. O outro tinha a ver com os cargos que eu assumi no partido, que nenhum deles constava no perfil. Por último, dizia que não consegui comprovar as cotas regularizadas”, conta.

Manuel Bissopo, mandatário do candidato Elias Dhlakama e antigo secretário-geral da Renamo, está a ser bloqueado igualmente de fazer parte do congresso mesmo tendo o documento que o autoriza. Bissopo declarou que irá permanecer até o fim do congresso, independentemente da decisão que for tomada sobre a sua entrada.

Ivone Soares, a candidata à presidência do partido, declarou que o seu partido está dividido, por conta da existência de muitas facções e tendências e disse ainda que a Renamo necessita de uma melhor gestão e organização.

O edil de Quelimane, Manuel Lopes de Araujo, esteve ausente no primeiro dia do congresso. Segundo O País, Inácio João Reis, delegado político da Renamo na Zambézia, disse que recebeu de Manuel de Araújo uma mensagem telefónica a informar que estaria numa reunião de trabalho em Dar es Salam, na vizinha Tanzânia, e que a qualquer momento podia fazer-se presente ao evento.

O presidente da Renamo, Ossufo Momade, que dirigiu a abertura oficial do sétimo congresso da Renamo que decorre na vila autárquica de Alto Molócuè, na Zambézia, percebe que com a realização do sétimo congresso abre-se uma nova passagem no seio do partido e avançou que a criação de clivagens na Renamo, nunca devia e nem deve ser aplaudido por um membros sério da “perdiz”.

Até ao momento decorre o congresso da RENAMO na província da Zambézia. Até então ainda não é conhecida quem será a cara que ira disputar a cadeira da presidência da república de Moçambique.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *